18.2.20

Marcas Internacionais

No novo relatório da Brands, as maiores marcas do mundo:
A surpresa é a presença chinesa, com o sexto, nono e décimo. Por países isto é confirmado:
A marcas com boa reputação são as seguintes:
(Deloitte e PwC?). As marcas brasileiras avaliadas são de bancos: Itau (298o.), Bradesco (308o.), Banco do Brasil (481o.) e Caixa (428o.).

11.2.20

MASB

Algumas estatísticas informam que o valor do intangível é cada vez maior. Se isto for verdade, grande parte do valor de uma empresa não aparece no balanço patrimonial. Aqui diz o seguinte:

Instituições como o Financial Accounting Standards Board (FASB), a Organização Internacional de Normalização (ISO) e o Marketing Accountability Standards Board (o MASB) estão formulando soluções para melhorar a mensuração de ativos intangíveis. 

Confesso que não conhecia o MASB. Mas parece que é uma entidade constituída recente. Eis a missão:

Establish marketing measurement and accountability standards across industry and domain for continuous improvement in financial performance and for the guidance and education of business decision-makers and users of performance and financial information.

 Entre os projetos, um de estabelecimento de padrões para avaliação de marcas. Clique aqui

25.1.20

Cálculo do incalculável



Há alguns meses, um adolescente de 15 anos jogou fogos de artifício e isto terminou por provocar um incêndio que queimou 47 mil acres de floresta no Oregon. Uma lei do estado exige restituição igual ao valor total das perdas das vítimas.


O juiz que analisou o caso condenou o jovem a 1.920 horas de serviço comunitário (algo como dois meses de trabalho integral), cinco anos de liberdade condicional e uma multa de 36,6 milhões de dólares. O advogado do réu alegou que a punição é cruel e incomum. Mas o juiz disse que o castigo é proporcional à ofensa causada pelo jovem.

Vi esta notícia no site Brain Pickings, onde Maria Popova lembrou o tema. O título é inspirador: Cálculo do incalculável: Thoreau sobre o verdadeiro valor de uma árvore.



Não é a madeira, nem o valor de compensação de carbono, mas a árvore - a fonte da sabedoria existencial que Whitman celebrou , o espelho que Blake acreditava que suporta o caráter de uma pessoa, seus ensinamentos silenciosos sobre como amar e como viver e o que otimismo realmente significa .


Aqui uma visão mais prática do assunto.

21.1.20

Previsão, segundo Gott

Richard Gott visitou o Muro de Berlim, que tinha então 8 anos, e anunciou que o tempo de sua existência. Este método foi explicado no livro Algoritmos para Viver, mas julgo que a resposta de Poundstone (autor de vários livros de divulgação científica, como Fórmula da Fortuna) melhor.

Quando Gott visitou o muro de Berlim em 1969, o mesmo já existia desde 1961. Gott imaginou que naquele momento era um tempo aleatório, não especial da história, que poderia ser “precoce” (ou seja, o muro iria durar muito tempo) ou tardia (o muro não existiria mais em pouco tempo). Mas como este é um evento “aleatório”, existe 50% de chance de que a visita de Gott tenha ocorrido entre 25% a 75% da “vida” do muro.
Se esta tal visita tivesse ocorrido muito precocemente, isto corresponde a 25% do tempo de vida do muro ou 3 vezes a duração, até então, do muro. Como já tinha passado 8 anos, o muro teria uma vida de 24 anos.

Mas se Gott tivesse visitado o muro muito tardiamente. Neste caso, 8 anos corresponde a 75% do tempo total de vida do muro de Berlim. O restante 25% da vida futura do muro corresponde a somente 1/3 da vida anterior (igual a 8 anos). Ou seja: 8/3 = 2,67 anos. Este é a estimativa pessimista de Gott. Então, em 1969, Gott poderia dizer que o Muro deixaria de existir entre 2,67 e 24 anos, a partir daquele momento. Com 50% de chance de acerto.

Vamos ver o caso do Brasil. A independência ocorreu em 1822, ou há 198 anos. Se estamos no limite inferior, este tempo corresponde a 25% da vida do Brasil como país. Assim, a previsão extrema seria de 3 x 198 ou 594 anos. Se estamos no limite superior seria 66 anos. Assim, nosso país tem 50% de chance de durar entre 66 a 198 anos.

A ideia de Gott foi publicada na Nature em 1993. Ele estimou que o ser humano teria 95% de chance de extinção entre 12 a 18 mil anos, a partir de 1993. Isto tudo parece loucura e muitas pessoas acharam que a ideia de Gott não era ciência. Poudstone considera que o método funciona para situações como monumentos mundiais e peças da Broadway. Mas isto não seria útil em situações práticas, uma vez que o intervalo pode ser muito amplo.

Veja que a previsão de Gott para raça humana estaria entre 12 a 18 mil anos.

Se você for solicitado a fazer uma previsão, lembre-se de Gott e use-o. Mas não se esqueça de dizer que ele publicou na Nature seu trabalho.

(Atente para o fato de que a probabilidade é aleatória, o que nem sempre é verdadeiro)

16.12.19

Valor de um jogador

Especialistas apontam que a composição do valor de um jogador é formada por aspectos objetivos, como os títulos conquistados, o desempenho dentro de campo e a importância que o atleta tem para o time, mas também por fatores subjetivos, como a maneira como ele é visto pela torcida e a imprensa. (...)

Entre elas estão a posição do atleta em campo, idade, contrato, desempenho esportivo individual e sua importância para o time, ações disciplinares (faltas e número de cartões), desempenho na seleção, avaliação dos meios de comunicação sobre seu trabalho e seu potencial comercial, além do desempenho da equipe em que joga e competitividade da liga que disputa. (...)

Na lista de fatores importantes, a idade tem grande peso ainda, pois representa o potencial do atleta de gerar receita em futuras transferências. 

Nem só de gols vivem os craques, Gonçalo Junior, Estado de S Paulo, 8 de dez 2019, A21

Em outro texto, uma informação sobre Neymar Jr:

Por causa disso, ele [Neymar] perdeu R$277 milhões de valor de mercado, de acordo com estudo feito pelo Centro Internacional de Estudo do Esporte (CIES), organização independente de pesquisa com sede na Suíça.

Contusão e confusões jogam o valor de Neymar para baixo, idem

11.12.19

Quanto vale a Aramco?

A Aramco tornou-se a empresa mais valiosa do mundo:

Mesmo com estes números, ainda existe desconfiança sobre a instabilidade da Arábia Saudita e seu real valor. O percentual reduzido de oferta de ações também não ajuda.

Robert Rapier, em um texto para Forbes, tinha levantado algumas questões no início de novembro, que ainda são válidas. Considerando dividendos de 75 bilhões anuais e um valor de 2 trilhões, o dividend yield seria de 3,75%. Este mesmo índice seria de 4,8% para ExxonMobil, 3,9% para Chevron e 6,3% para BP. Isto parece não fazer sentido, para uma empresa onde o governo saudita é majoritário. E empresa de petróleo e governo parece não funcionar, segundo Rapier. Para seu argumento, ele usou o caso

Or, consider a situation that happened with Petrobras, which is primarily owned by the government of Brazil. A few years ago when oil prices spiked, the Brazilian government forced Petrobras to  subsidize the cost of fuel for Brazilians, which directly cost Petrobras shareholders. The lesson is that sometimes the interests of the government are going to conflict with those of shareholders, and shareholders will lose.

Ao colocar os pontos negativos e os pontos positivos em análise, parece que o valor da Aramco não é sustentável.

10.12.19

Pontos Positivos e Negativos da IPO da Aramco

Sobre a oferta pública de ações da Saudi Aramco, a empresa conseguiu captar 25,6 bilhões de dólares.

Uma análise atual mostra alguns pontos negativos e positivos do resultado final.

Pontos Positivos

O valor obtido é recorde mundial de lançamento de ações. Mesmo vendendo uma parcela tão pequena do capital, a Aramco toma o posto da chinesa Alibaba de maior captação de recursos no mercado

O lançamento atraiu um excedente de subscrições de 4,7 vezes o valor oferecido.

O valor de 1,7 trilhão é maior que a soma das cinco empresas de petróleo imediatamente seguintes. Ou seja, a Aramco é realmente uma empresa enorme

Pontos negativos

Há quatro anos, o governo queria fazer o lançamento no exterior, lançando de 5 a 10% do capital. O valor foi bem menor e o lançamento ocorreu na bolsa local

Mesmo prometendo pagar elevados dividendos, reduzindo os impostos, trazendo bons conselheiros para o processo e mudando a gestão, os investidores externos não apareceram com a voracidade esperada.

O governo realmente esperava um valor de 2 trilhões e expressou os descontentamento, até com a cobertura da mídia. A reação foi muito mais próxima a um patriotismo do que uma análise fria esperada dos gestores de um patrimônio valioso.

Parte da compra foi feita por instituições governamentais da Arábia Saudita (quase 10%, segundo a Bloomberg) e empresas sauditas (38%).

24.11.19

Ainda Aramco

Um, o Google estimou que seu sistema Lidar, que custou US $ 150.000 para construir, custaria US $ 70.000 em 2012. Analistas zombaram e zombaram da estimativa - mas o Google estava certo: isso é exatamente o que custou em 2012. Mas o mais impressionante é que em 2013, esse mesmo equipamento custou US $ 10.000 ... apenas um ano depois, meros US $ 1.000 ... e três anos depois, US $ 250!

E dois, em 2000, um computador de ponta usado para simulações de guerra nuclear tinha capacidade para 1 teraflop (1 trilhão de operações de ponto flutuante por segundo), custava US $ 46 milhões, usava 850 quilowatts de energia e ocupava 1.600 pés quadrados. Em 2017, a Nvidia havia desenvolvido um computador com 2,3 teraflop que custava US $ 59, usava 15 watts e era pequeno o suficiente para caber na sua mão.

A lição aqui é que os humanos pensam de maneira linear - ainda que certos sistemas, incluindo interrupções tecnológicas, não sejam lineares.


Segundo uma postagem do ValueInvesting isto também se aplica para Aramco. Há uma previsão de que o preço do barril de petróleo deve cair para 25 dólares. Atualmente está perto de 60 dólares. Como 70% do petróleo é usado para transporte, isto pode ter influencia sobre os custos da aviação (8% do uso do petróleo). Mas terá um grande impacto para as petrolíferas.

O governo da Arábia Saudita está vendendo a Aramco porque precisa de caixa. E o fato do governo estar vendendo pode ser um sinal de que o futuro do petróleo não seja tão interessante assim.

Além disto, a empresa está cara:

Em 2018, a Aramco gerou lucros de US $ 111 bilhões. Na avaliação alvo (conto de fadas) de US $ 2 trilhões, as ações seriam negociadas em uma relação preço / lucro (P / L) de 18. Em comparação, a ExxonMobil (XOM), a maior empresa internacional de petróleo e gás de capital aberto, esta negocia a um P / E de cerca de 15 vezes o lucro de 2018. Os rivais BP (BP) e Royal Dutch Shell (RDS) foram negociadas em múltiplos ainda menores em 2018, de 14 e 11 vezes, respectivamente.

... e a um risco menor.

Uma comparação melhor para a Aramco pode ser a Gazprom, a maior empresa de gás do mundo, controlada majoritariamente pelo governo russo. É negociada a um P / L de 3,5 e produz cerca de 6%. Mesmo se dermos à Aramco o benefício da dúvida e a valorizarmos com o dobro do múltiplo da Gazprom ... isso apenas sugeriria uma avaliação total da empresa de cerca de US $ 800 bilhões - muito abaixo da meta dos sauditas.

19.11.19

Evento Financeiro

Quando o príncipe herdeiro tentou impor uma âncora de 2 trilhões como valor da Aramco, muitos analistas acharam um valor excesso. Ao reconhecer um valor entre 1,6 a 1,7 trilhão, talvez a empresa esteja adotando uma estratégia interessante: o lançamento será somente de 1% do capital, no mercado local. Se for uma sucesso, o preço da ação pode inclusive conduzir aos 2 trilhões do príncipe de uma forma simples e fácil: “estimular” os ricos sauditas a efetuarem a compra. Recentemente o governo impôs uma prisão em um hotel de luxo para alguns dos bilionários locais; “estimular” a compra com ágio pode ser fácil. Se isto não for possível, o governo pode, ele mesmo, através de um terceiro, fazer as aquisições com ágio. Esta hipótese foi aventada pela Bloomberg

 É bem verdade que a empresa vale muito e tem boas vantagens. O custo de equilíbrio da empresa é meros US$10 o barril. Suas reservas possuem baixo custo e produto de qualidade. Se o lançamento inicial conduzir a uma valor de 1,5 trilhão isto significa cinco Exxon Mobils. Ou quase duas Amazon. Entretanto, enquanto a Amazon parece ser o futuro, a Aramco está com o pé fincado no passado: seu produto está esperando o desenvolvimento tecnológico para ser trocado, há um grande número de países produtores (Venezuela, Irã e, até mesmo, Brasil).

Mas isto não impede de acompanhar o lançamento da empresa com atenção: certamente será um grande evento financeiro.

18.11.19

Jenner vende parte de sua empresa

Afinal, para que serve uma celebridade? O que ela faz é relevante? Geralmente, nomeamos uma celebridade alguém que não é atriz, não canta, não “trabalha”, mas que cada postagem na rede provoca reação das pessoas. Há as celebridades que também são atrizes ou cantoras. Mas temos somente aquelas pessoas que só são celebridades.

A celebridade pode ter uma função econômica importante: vender produtos. E para isto, ela pode ganhar muito dinheiro. O seu principal ativo é o nome, um típico intangível.

 Veja o caso de Kylie Jenner. Com 22 anos, esta americana é definida na Wikipedia como sendo “media personality, socialite, businesswoman, e model”. Por ter uma grande base de seguidores na internet, ela ganha muito dinheiro. Agora, a Coty, uma empresa multinacional, resolveu pagar 600 milhões de dólares pela empresa Kylie Cosmetics, de propriedade de Jenner. E com isto comprou 51% da empresa. A empresa foi fundada em 2015 e tem uma venda projetada de 200 milhões de dólares de receita por ano. É um valor bastante razoável.

Jenner lançou sua empresa em 2015. Como 151 milhões de seguidores no Instagram, a Kylie é um exemplo de sucesso empresarial. Outras celebridades, como Emily Weiss  e Pat McGrath  também fizeram sucesso na internet e com seus negócios. Esta lista conta ainda com Rihanna, Lady Gaga, Victoria Beckham, Gwyneth Paltrow e Jessica Alba. Novas celebridades estão chegando: Hailey Bieber, Cardi B, Millie Bobby Brown e Kendall Jenner, irmã mais velha de Kylie.

17.11.19

Detalhes da Aramco

O mais aguardado lançamento de ações está perto de acontecer. A Saudi Aramco, uma empresa estatal da Arábia Saudita, estabeleceu que na sua oferta pública inicial de ações um valor de 1,6 trilhão a 1,7 trilhão de US$. Anteriormente, o princípe herdeiro do trono saudita tinha falado em um valor de 2 trilhões, mas esta estimativa sempre foi considerada alta pela maioria dos analistas.

Os planos inclui a venda de 3 bilhões deações, o que corresponde a 1,5 % do patrimônio. Esta venda deverá ocorrer no mercado acionário local, a bolsa Tadawul. Se tudo ocorrer bem, a empresa deve obter 26 bilhões de dólares por estes 1,5% do patrimônio, o que seria, mesmo assim, a maior oferta pública inicial do mundo.

A primeira vez que a ideia apareceu foi há quatro anos. Com o dinheiro, o reino pretendia investir na economia saudita. Os planos iniciais, de fazer a oferta em um grande mercado mundial, de uma parcela que chegaria a 10% do capital, foram reduzindo até chegar aos 1,5% de agora. Além disto, a oferta deveria ter sido feita no ano passado.

Mesmo sendo a empresa mais lucrativa do mundo, com promessa de elevado pagamento de dividendo, a Aramco gera dúvida pelo risco envolvido. A razão inclui a volatilidade do preço do preço, que agora está em 60US$ e talvez reduza no médio prazo em razão das fontes alternativas de energia e das restrições ambientais. Mas também inclui os problemas políticos do reino; neste caso, a morte de um jornalista em uma embaixada Saudita e um ataque de drone ocorrido há alguns meses, aumentou a percepção de risco.

Mas o reino pode fazer com que a oferta seja um sucesso. Como a parcela de venda é relativamente reduzida, o reino pode “convidar” alguns bilionários a investir na empresa. O abandono do plano de fazer uma oferta em um mercado mais transparente, como o de Londres, pode ser um indicador deste fato.

Fonte: aqui

1.11.19

Razões para Não investir na Aramco

A Forbes apresenta dez razões para NÃO investir na Saudi Aramco

1. Risco Geopolítico

Um ataque de mísseis no dia 14 de setembro desabilitou duas das maiores joias da Saudi Aramco, a planta de estabilização de petróleo Abqaiq e o campo petrolífero Khurais. Já se foi o tempo em que as ameaças ao fluxo de petróleo na Arábia Saudita seriam o suficiente para aumentar o preço do produto. Depois de saltar 20% com o ataque a Abqaiq, o petróleo bruto caiu para US$ 60, mais baixo do que antes. Em meio a tensões, o presidente norte-americano Donald Trump parece estar cansado de proteger o país, e a batalha do Iêmen mostra que os sauditas não conseguiriam se defender em uma guerra contra o Irã. Amrita Sen, da consultoria Energy Aspects, afirma: “A possibilidade de ataques no futuro é real e afeta o mercado”.

2. Crescimento zero

Na área de commodities, é preciso ter escala para competir. Mas, quando você consegue atingir essa escala, o crescimento fica travado pela lei dos números grandes. Uma empresa pequena pode rapidamente dobrar de tamanho e valor, mas a Aramco não pode. Sua produção está estagnada ao redor dos 10 milhões de barris por dia desde 2014. E, mesmo antes dos ataques a Abqaiq, a empresa era obrigada a usar menos de 90% de sua capacidade para satisfazer um acordo de redução de volumes da Opep, a Organização dos Países Produtores de Petróleo. No primeiro semestre de 2019, a renda líquida e investimento de capital da Aramco caíram 12%, para US$ 47 bilhões e US$ 14,5 bilhões, respectivamente. De acordo com a análise da Bernstein Research, a Aramco não terá fundos suficientes neste ano para pagar dividendos vindos de fluxo de caixa, então, terá de fazer empréstimos para honrar os pagamentos.

3 . Nenhuma autonomia

A empresa, ativa ou não na Opep, age como uma ferramenta primária da política de petróleo saudita, com o rei, não o conselho, tomando as decisões”, afirma Bill Farren-Price, diretor da RS Energy Group. Na preparação para a abertura de capital, o rei Salman diminuiu os níveis de impostos da Aramco de 80% para 50% em 2017, fazendo com que a companhia tivesse de pagar “apenas” US$ 100 bilhões em tributos ao reinado em 2018. A Aramco promete dividendos de pelo menos US$ 75 bilhões por ano aos acionistas assim que suas ações forem a público, mas, com os problemas orçamentários da Arábia Saudita, esses números podem ser cortados por decreto real.

4. Dúvidas sobre avaliação

O príncipe Mohammad bin Salman regularmente avaliava a Aramco em US$ 2 trilhões. Esse valor sempre foi alto demais. As maiores e mais bem geridas empresas de petróleo do mundo fazem negócios com rendimento de dividendos perto dos 5% (Exxon 5%, Chevron 4%, Shell 6,5%,Total 5,6%, Sinopec 8%). Para gerar um rendimento de 5% nos US$ 75 bilhões de dividendo, a avaliação do valor de mercado deve chegar na ordem do US$ 1,5 trilhão. Em uma base de preço/rendimento, aplicar a mega taxa sobre P/R de 15 ao rendimento líquido de aproximadamente US$ 100 bilhões chega no mesmo valor de US$ 1,5 trilhão.

5. Alternativas em excesso

Até mesmo US$ 1,5 trilhão deve ser um valor muito alto, considerando que o mundo não precisa de mais nenhuma petroleira gigante, controlada pelo Estado e com capital aberto. Por exemplo, a Gazprom, a PetroChina e a Petrobras sofreram com escândalos de corrupção e perderam pelo menos 40% de valor na última década. A Equinor, gigante norueguesa conhecida anteriormente como Statoil, é considerada a gigante petrolífera estatal mais bem administrada. Ela perdeu apenas 20% de valor na última década e fez grandes avanços na redução da intensidade de carbono em suas operações, uma clara vantagem competitiva.

6. Erros no tratamento do capital

No final de 2017, o príncipe prendeu dezenas de bilionários e magnatas sauditas e os instalou em uma prisão extravagante no The Ritz-Carlton, em Riyadh. Dentre os presos, estavam capitalistas famosos, como o príncipe Alwaleed bin Talal, conhecido há tempos por seus investimentos astutos nas últimas décadas. Mohammad bin Salman retirou ativos no valor de US$ 100 bilhões deles sem nenhum precedente legal. Não há mais sauditas na lista de bilionários globais da Forbes. O príncipe Alwaleed declarou que o preço de sua liberdade foi de US$ 6 bilhões. Antes figura conhecida na CNBC, ele pouco tem sido visto. Se esse é o tratamento que empreendedores de sucesso recebem na Arábia Saudita, existe razão para ser um? Capital apenas flui para lugares onde é bem tratado e protegido pela lei. Em 2016, a Arábia Saudita atraiu US$ 7,4 bilhões em investimentos estrangeiros diretos. Em 2017, o FDI afundou para US$ 1,4 bilhão, recuperando-se apenas em 2018 para US$ 3,2 bilhões. O Grupo Banco Mundial coloca a Arábia Saudita como o país 92 entre 190 no quesito facilidade de fazer negócios. Existem muitos outros lugares para investir.

7. Poder dos perfuradores norte-americanos

Se é absolutamente necessário para você possuir ativos de petróleo e gás, não é melhor que estejam em lugares politicamente estáveis ​​como Texas ou Novo México, onde os direitos de propriedade são sacrossantos, contratos são mantidos pelo Estado de Direito e a probabilidade de ataques irreparáveis ​​de mísseis são ironicamente baixos? Perfuradores norte-americanos descobriram enormes reservas na última década que agora estão à venda, com preços 50% ou mais baratos do que no ano passado. A Apache Corp. caiu 50%, a Occidental Petroleum 44%, e a EOG Resources 17%, em relação aos níveis do ano anterior. Todos têm muito mais espaço para crescer do que a Aramco e não são sobrecarregados com a pressão de ser um cofrinho real.

8. Que direitos humanos?

O assassinato do colunista do “Washington Post” Jamal Khashoggi no ano passado ainda ganha manchetes, mas não se pode acreditar por um segundo que ele foi o primeiro dissidente morto e desmembrado por uma equipe de assassinos sauditas. Ao mesmo tempo que o príncipe MbS acha que pode aplacar a liberalização concedendo às mulheres permissão para dirigir, ele aprisiona o ativista Loujain al-Hathloul por mais de um ano. As mulheres continuam sendo cidadãs de segunda classe e devem cobrir a cabeça em público. Não há pluralismo religioso, liberdade de reunião ou expressão. O álcool é proibido. Mas agora você pode obter um visto de turista para ver como essa monarquia absoluta mantém seus 30 milhões de súditos alinhados.

9. Poder absoluto corrompe

Em um país que proíbe toda oposição política, quando a mudança finalmente chegar ao reino, não será ordenada. Em uma conversa no final de 2017, Khashoggi me disse que não era um revolucionário. “Eu não sou contra o sistema. Sem a monarquia, o país inteiro entraria em colapso”, afirmou. O que ele mais queria para a Arábia Saudita eram as liberdades que se tem como garantidas nos Estados Unidos. “Gostaria de ter liberdade de expressão.”

10. Era do petróleo está no fim

O mundo nunca usou mais petróleo. São cerca de 101 milhões de barris por dia. E há muito mais de onde isso veio, graças aos avanços na perfuração direcional e no fraturamento hidráulico. O mundo está cheio de petróleo agora mesmo após o quase total colapso da Venezuela (que tem ainda mais matéria-prima do que a Arábia Saudita) e o bloqueio ao petróleo iraniano. Quando o “pico petrolífero” chegar nos próximos 25 anos, será por conta não de suprimento inadequado, mas de demanda sem brilho, impulsionada pela adoção de veículos elétricos. Isso estripará o preço do petróleo e, com ele, o valor das reservas da Aramco. Considerando que, atualmente, a Aramco bombeia cerca de 4 bilhões de barris por ano, as reivindicações sauditas de há 260 a 300 bilhões de barris em reservas comprovadas de petróleo devem ser vistas com dúvidas. Não há valor em um barril de petróleo de um solo que ninguém conseguirá perfurar por 50 anos.

Fonte: Forbes

19.10.19

Valor dos serviços grátis da internet

Eis um texto um pouco confuso em alguns termos, mas que apresenta alguns pontos interessantes:

Quando perguntam “qual o valor da internet?”, muitos pensam no custo de conexão e quanto pagam à operadora pelo acesso. O Federal Reserve, Banco Central americano, quer ir além: o que cada site custa [1] para você, especificamente? 

A questão surge por conta da dicotomia na relação entre internet e a economia. Enquanto a conexão banda larga se expande de forma exponencial, o crescimento econômico no mesmo período se mantém tímido.

Segundo o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, a questão está em como esse crescimento é contabilizado. O Produto Interno Bruto de um país é calculado pelo valor de serviços e produtos vendidos e comprados no lugar. Mas boa parte dos maiores produtos na internet, em especial redes sociais, são gratuitos e não dependem de uma transação cliente-provedor de um comércio normal [2].


Alguns estudos tentam quantificar o valor real do serviço de um site gratuito para seu consumidor. No MIT, Erik Brynjolfsson, Avinash Collis e Felix Jeggers estudaram o valor monetário de Facebook, YouTube e outros serviços.


Segundo a pesquisa, um usuário médio do Facebook precisaria de US$48 para abdicar do serviço por mês (US$ 576 por ano) [3]. O YouTube é mais valorizado, valendo US$1.173 por ano. Mas nada é mais valioso que ferramentas de pesquisa como o Google: US$17.530 a cada ano.


Na Europa, uma pesquisa menor foi conduzida. O WhatsApp, pouco usado nos Estados Unidos, foi destaque: 536 euros.


Redes sociais não fazem mal, desde que não substituam atividades mais saudáveis, diz estudo


“Ao longo do tempo, estamos gastando cada vez mais de nosso tempo interagindo na internet ou usando serviços nos nossos smartphones,” disse Brynjolfsson à CNBC. “Uma grande parcela de nossa economia está sendo ignorada pelo PIB.”


O estudo do cientista do MIT afirma que o PIB deveria ser medido pensando nos benefícios de um serviço e não necessariamente do valor de troca. “Queremos saber do benefício que você recebeu, e não o quanto você pagou,” disse Brynjolfsson.


Powell também citou um estudo publicado pela própria Federal Reserve. Usando velocidade de conexão e quantidade de dados transferidos, a pesquisa acredita que o PIB norte-americano seria 0,5% maior em relação à década passada se o valor das redes digitais [4] tivesse sido incluído.


“Boas decisões necessitam de bons dados,” Powell disse. “Mas os dados que temos não tão bons quanto gostaríamos.”


[1] Há uma confusão entre o custo, preço e valor. O termo mais adequado aqui seria valor.
[2] Esta frase é controversa. Quando o Facebook não cobra nada para que as pessoas usem a rede social, a empresa consegue obter receita de outra forma. Por exemplo, através da venda de informações. Assim, o valor está aparecendo em outra transação: a venda de informação do Facebook para um cliente.
[3] É uma forma criativa de medir valor. Há uma pesquisa anterior a esta, de Corrigan et al, "How much is social media worth? Estimating the value of Facebook by paying users to stop using it" que apareceu no PLOS One em julho de 2018.
[4] Aqui o termo é redes digitais, que não é a mesma coisa que redes sociais.

24.9.19

Avaliando um jogador

É difícil apurar o valor contabilístico dos jogadores da formação e até é possível que não tenham valor nenhum ou então apenas um valor residual. A probabilidade de João Félix ter valido contabilisticamente para o Benfica menos de dois milhões de euros é, por isso, muito forte. 

O ativo da Sport Lisboa e Benfica – SAD com maior valor de mercado será, por ventura, o plantel da equipa principal de futebol. Bastará pensar, por exemplo, na venda de João Félix [foto] que, em julho, trocou Lisboa pela capital espanhola para jogar no Atlético de Madrid, a troco de 126 milhões de euros. 

Apesar desta transferência milionária, a SAD benfiquista avaliou, no balanço, o plantel do ano passado em 80,246 milhões de euros, segundo o relatório e contas relativo ao exercício da época desportiva de 2018-2019, divulgado esta quarta-feira em comunicado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, tal como se pode ver logo na terceira página do documento, na rubrica “Ativos intangíveis – jogadores de futebol”. 

Naturalmente, qualquer adepto de futebol poderá questionar-se sobre este valor. Mas a contabilidade explica. 

Como são avaliados contabilisticamente os jogadores de futebol? 

De acordo com a Norma Contabilística e de Relato Financeiro 6 (NCRF 6) é considerado como um ativo intangível aquele que é “não monetário identificável sem substância física”. Isto é, não é o jogador físico que é o ativo, mas antes o seu passe. 

 Além disso, a NCRF 6 exige que os ativos intangíveis reunam três características. Têm de ser identificáveis, isto é, passíveis de identificação de forma a serem diferenciáveis de qualquer outro ativo, sob pena de não se poderem exercer sobre eles direitos de propriedade (os passes dos jogadores são da propriedade da Benfica SAD). 

 Devem ainda existir e ter proteção legal, e gerar benefícios económicos futuros, como por exemplo, créditos obtidos através de uma futura venda. 

 Uma vez reunidos estas características, os ativos intangíveis devem ser reconhecidos e mensurados no balanço da empresa. No caso da SAD do Benfica – e de qualquer outra sociedade desportiva que compre e venda passes de jogadores – o departamento de contabilidade deve registar o valor do passe do jogador. 

 No caso de aquisição de um ativo intangível, leia-se, no caso de compra de um jogador de futebol, é este o valor a reconhecer no balanço. Assim, por exemplo, quando o SL Benfica oficializou a compra do avançado Raúl de Tomás por 20 milhões de euros, deve reconhecê-lo com esse montante. A isto se chama de reconhecimento inicial. 

 Mas, regra geral, o ativo intangível terá de ser amortizado de forma a registar as perdas dos benefícios económicos que lhe estão associados. Salvo exceções previstas na NCRF 6, a amortização do passe dos jogadores de futebol segue o método da linha reta. Este método consiste em dividir o custo de aquisição deduzido do valor residual pelo número de períodos correspondente à sua vida útil. 

 Por exemplo, em julho a SAD do Benfica comprou o passe de Raúl de Tomás por 20 milhões de euros, que se comprometeu por cinco épocas, até 2024. Ao longo da duração do contrato, contabilisticamente, o passe do jogador vai sendo reduzido em quatro milhões de euros (20 milhões / 5 anos) todos os anos. Na segunda época, valerá 16 milhões, na terceira valerá 12 milhões, e assim por diante. 

 Os jogadores oriundos da formação têm, no entanto, um tratamento contabilístico dos jogadores comprados, porque são ativos gerados internamente pelo clube. 

 Regra geral, o valor dos jogadores da formação que são reconhecidos como ativos intangíveis deverá ser igual ao respectivo custo de produção, ou seja, o montante de todas as despesas incorridas desde a data em que é reconhecido no balanço, algo que é subjetivo. 

 É difícil apurar o valor contabilístico dos jogadores da formação e até é possível que não tenham valor nenhum ou então apenas um valor residual. A probabilidade de João Félix ter valido contabilisticamente para o Benfica menos de dois milhões de euros é, por isso, muito forte.

Fonte: Antônio Vasconcelos Moreira, Jornal Econômico

16.9.19

O múltiplo da Aramco

Há dias, o governo saudita nomeou Yasir Al Rumayyan como presidente do conselho da Aramco, a empresa estatal de petróleo, para tentar acelerar o processo de oferta pública de ação. Formado em Contabilidade, na Universidade Rei Faisal, tem MBA por Harvard. O projeto é colocar 1% das ações na bolsa até o final de 2019 e mais 1% em 2020. Baseado em uma avaliação da empresa de 2 trilhões de dólares, este percentual de 1% corresponde a 20 bilhões de dólares de captação. Os recursos seriam usados pelo reino para diversificar a economia.

 A abertura de capital seria em Riad e talvez Tóquio. Recentemente, a empresa conseguiu colocar 12 bilhões de dólares de um título internacional de dívida. Mas permanece a dúvida sobre o valor de 2 trilhões. Há um certo consenso que a estimativa é muito elevada. Parte deste valor é baseada no preço do petróleo.

O ataque de drones que prejudicaram a produção de petróleo pode aumentar o preço do petróleo. Isto poderia provocar um aumento no valor da empresa. Poderia, se fosse usado somente o múltiplo. As incertezas podem levar a mais questionamento sobre o valor estimado pelo governo saudita de 2 trilhões. Isto significa uma menor produção de petróleo. Além disto, aumenta o risco da geração de receitas futuras.

A principal métrica para a avaliação da empresa é o preço do petróleo . Embora o aumento de 20% do recurso após os ataques possa parecer positivo para os resultados da Aramco, existe uma preocupação considerável de que os riscos geopolíticos crescentes superem esse impacto. "O mais natural é que os prêmios de risco subam, o que reduziria a avaliação", disse uma autoridade ao WSJ. "Na avaliação atual, a Aramco não conta para ataques sérios como esses."

O aumento no risco pode resultar em um desconto adicional de 300 bilhões de dólares, reduzindo o valor da empresa para algo em torno de US$1,2 trilhão. Bem abaixo da estimativa de 2 trilhões.

17.6.19

Taxa de Retorno para Tudo

Uma das premissas do processo de avaliação é usar dados previstos. Entretanto, é muito difícil prever o futuro. Por este motivo, muitas previsões realizadas nas avaliações utilizam dos dados passados, partindo da suposição de que o futuro é uma repetição da história. Obviamente não é preciso alertar para a chance da previsão estar errada em razão desta suposição.

Mas o analista não tem muita alternativa disponível. Em certos laudos, é importante estar sustentado em algo mais “objetivo”, como são os dados passados. Por este motivo, é sempre bom estar atento as pesquisas históricas que possam ajudar nos argumentos utilizados nas avaliações.

Uma pesquisa recente utilizou dados de 1870 até 2015 para calcular alguns dos parâmetros mais importantes para a avaliação. Pesquisadores dos Estados Unidos e da Alemanha reconstituíram o que ocorreu com o retorno de ativos de algumas das economias desenvolvidas. E pela primeira vez eles incluíram o retornos dos imóveis residenciais em um cálculo tão longo. Além disto, também calcularam o retorno das ações, dos títulos do governo e dos títulos de curto prazo. Estes dois últimos foram considerados como investimentos “sem risco”; imóveis e ações foram classificados como investimentos “com risco”.

Os países que foram investigados: Alemanha, Austrália, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Itália, Japão, Noruega, Portugal, Reino Unido, Suécia e Suíça.

Os achados são interessantes e um deles indica que o retorno obtido com imóveis é aproximadamente o mesmo do retorno com o mercado acionário, algo em torno de 7%. Veja no gráfico abaixo que a linha verde (retorno de imóveis) acompanha o retorno do mercado de ações, mas com uma importante diferença: é menos volátil. Ou seja, no longo prazo, quem investiu em imóveis obteve o mesmo retorno, com menor risco. A pesquisa aponta, no entanto, que esta regra tem exceções: em alguns países as ações tiveram um desempenho melhor. Além disto, a diversificação com imóveis é mais difícil, já que o custo de transação é maior e a liquidez é menor. Mas os autores observam que a correlação mundial do investimento em ações é cada vez maior, reduzindo o ganho com a diversificação


Ao comparar os dois tipos de investimentos “seguros”, a pesquisa encontrou que o retorno destes títulos são mais voláteis no curto prazo. Em tempos de paz, o retorno dos ativos seguros esteve entre 1 a 3%. Assim, uma comparação usando o trade-off risco e retorno mostra que os investimentos “seguros” são ruins: são famosos por serem sem risco, mas não o são; e possuem um retorno baixo, típico de investimento sem risco. Esta equação termina ser boa para as finanças públicas dos países, como chamam a atenção a pesquisa, pois é possível lançar um título com baixo rendimento, sem ter baixo risco.
A comparação entre estes dois tipos de investimento - com e sem risco - resulta no prêmio pelo risco. Os autores encontraram que em média o prêmio foi entre 4 a 5% nos tempos de paz. Este prêmio cresceu substancialmente no período após as duas guerras, mas nos anos recentes esteve abaixo dos 4%.
Baseado nesta série histórica, uma boa estimativa para os parâmetros usados no cálculo do retorno esperado é a seguinte: Rf = 1 a 3%; Rm = 7%.

Jordà, Òscar et al. The Rate of Return on Everything, 1870–2015 December 2017 Working Paper.

11.6.19

Clube de Futebol e Valor

O processo de avaliação é antes de tudo uma opinião. Cabe ao analista indicar se sua opinião é crível ou não. Se o analista usa uma base de dados passado e de qualidade, analisando os diferentes aspectos do objeto avaliado, poderemos ser convencidos de que a opinião é razoável ou não. Caso os dados sejam frágeis ou baseados em métodos não claros, podemos acreditar ou não no analista baseado em outros parâmetros, como a expertise do mesmo ou a qualidade do seu acerto.

Aqui temos um outro ponto importante: para verificar se a opinião do analista é coerente, precisamos ter algo com que confrontar. Se um analista afirma que as ações de uma empresa valem um determinado montante e aparece investidores dispostos a comprar as ações por um valor próximo a estimativa realizada, podemos acreditar que o analista acertou na sua opinião. Mas mesmo neste caso podemos duvidar da capacidade do analista, pois não sabemos se seu acerto ocorreu pelo acaso ou pela qualidade da sua opinião.

A tarefa pode complicar ainda mais quando o objeto a ser analisado é complexo o suficiente para termos somente métodos que se aproximam da mensuração adequada.

Toda esta introdução é para falar do relatório sobre marcas do futebol, elaborado pela BDO. Esta empresa teve a sagacidade de escolher um assunto de interesse de muitos. Entretanto, avaliar o futebol brasileiro é uma tarefa ingrata, em razão da qualidade dos dados. As demonstrações contábeis dos clubes são de baixa qualidade, como é o caso recente do Corinthians e outros clubes brasileiros. Além disto, temos problemas sérios relacionados com a mensuração de marca. E para finalizar, é muito difícil fazer a comprovação da qualidade da mensuração realizada, pois não temos negociações (quando temos é um exceção) ou ações negociadas em bolsa, como ocorre na Europa.

Com respeito aos dados, os valores são enviesados pela existência de uma receita de valor elevado e que não necessariamente é recorrente: a receita proveniente da comercialização de atletas. Eis um exemplo: em 2017 a receita do Flamengo foi de 649 milhões de reais. Mas esta receita cai para 466 milhões se retirar a transferência. A diferença refere-se a comercialização de alguns atletas, entre eles um jogador chamado Vinícius Júnior. Como lidar com esta situação? Retirar a comercialização permite ter uma comparação mais estável ao longo do tempo; mas parte do valor de um clube (e sua marca) é originária da capacidade de revelar novos jogadores.

Se as informações de qualidade são um problema, o método usado para estimar o valor de uma marca de um clube de futebol pode ser outro complicador. Existem diversas metodologias que podem ser usadas como proxy em tais situações. Um delas é mensurar quanto é possível gerar de receita pela existência de uma marca. Se um torcedor está disposto a pagar um valor elevado por uma camisa oficial de um clube, a diferença entre o preço da camisa e o preço de uma camisa sem esta “marca” poderia ser considerada dentro do valor da marca. Neste caso, o clube consegue internalizar sua marca, gerando receita com a mesma. Isto provavelmente não ocorre no Brasil, já que usualmente os torcedores não compram a camisa oficial do clube (nem um ex-deputado e presidente da república paga por uma camisa oficial, preferindo uma cópia pirata).

Em resumo, é difícil opinar sobre o valor de uma marcar, mas esta tarefa talvez seja mais difícil quando se trata de uma marca de um clube de futebol brasileiro. Segundo a BDO:

“O estudo seguiu rigorosa métrica que inclui mais de 30 diferentes variáveis entre dados financeiros, históricos dos clubes, informações publicadas em pesquisas com os torcedores, dados de marketing esportivo, hábitos de consumo dos torcedores, engajamento em mídias sociais e dados sociais e econômicos do mercado em que atuam os clubes analisados.”

Isto não ajuda a esclarecer muito sobre o método. Em postagem anterior, discutimos sobre o uso de múltiplo para avaliar clubes de futebol. Vamos usar esta discussão para fazer nossa análise. Na figura abaixo coloquei o valor da marca dos clubes e o valor usando o múltiplo de 3,2 (método CATS). Note que estamos comparando algo diferente: a BDO mensura a marca; estamos mensurando o valor do clube, que é mais abrangente que a medida da BDO. Além disto, usamos a receita total; ou seja,  nosso resultado pode estar sendo influenciado pela venda de jogadores.
O gráfico mostra que em geral nossa estimativa é maior que a BDO, o que era esperado. Em média, os 25 clubes foram avaliados em 672 milhões usando o múltiplo e a marca recebeu uma avaliação de 435 milhões. Em alguns casos, a diferença foi expressiva. Avaliamos a Chapecoense em 319 milhões, enquanto a BDO considerou que a marca deste time tem um valor de 58 milhões. Mas nossa estimativa coloca o Corinthians como tendo um valor de R$1,25 bilhão versus R$1,74 bilhão da BDO. (Este é o único clube onde o valor do múltiplo foi menor que o valor da marca)

Em geral, as diferenças entre os dois métodos foi menor para os clubes de maior valor e aumentou substancialmente para os pequenos clubes, como é o caso da Chapecoense. Mas qual o método é melhor? É impossível responder a esta pergunta por dois motivos. Em primeiro lugar, não temos um conjunto de negociações de marcas (ou de clubes) que possa indicar quem estaria com a razão. Se ocorressem 25 transações de clubes e caso meus valores estivessem mais próximos dos valores transacionados, o meu método seria melhor. Em segundo lugar, estamos mensurando algo diferente e não temos condições de analisar se o método da BDO é razoável ou não. A afirmação da empresa, reproduzida acima, não permite verificar se os seus valores são razoáveis ou não.

10.6.19

Valor do Software aberto

Qual o valor de um software aberto? Geralmente este tipo de software foi desenvolvido através da contribuição de várias pessoas, sem que tenham sido remunerados por isto. O Linux foi desenvolvido na Finlândia, em uma universidade; o R, em uma universidade da Nova Zelândia. As pessoas que trabalharam nestes softwares, o fizeram de maneira gratuita. Por este motivo, o software aberto não é considerado para fins do cálculo do valor ou da produção de uma economia. Seis pesquisadores propuseram uma maneira de mensurar uma estimativa do custo do software aberto. Para isto, eles mensuraram o valor de quatro “pacotes”: R, Python, Julia e JavaScript. Estes pacotes tiveram aplicações desenvolvidas por diferentes pessoas e o processo está armazenado no GitHub, uma repositório onde os programadores deixam seus produtos para qualquer pessoa ter acesso. Usando esta informação, os pesquisadores olharam as linhas adicionadas e deletadas em um esforço comum para o desenvolvimento de aplicações.

Com base nisto, determinaram o custo do desenvolvimento através da seguinte expressão:

Custo do Desenvolvimento = Salário mensal x Tempo de desenvolvimento nominal.

O salário mensal foi estimado a partir do valor recebido por um programador médio. O tempo de desenvolvimento é função das linhas de código, o número de pessoas por mês e a quantidade de tempo que levou para desenvolver uma aplicação. O resultado mostra que a contribuição dos pacotes em R desenvolvidos corresponde a um custo de US$854 milhões por ano, para um total de 3.396 pacotes. Ou seja, se uma empresa tivesse que desenvolver estes pacotes, seus gastos seriam neste valor. Para os demais, a estimativa foi a seguinte: Python = 747 milhões, Julia=239 e JavaScript = 1.199. Isto totaliza mais de 3 bilhões de dólares por ano.

Open source software is everywhere, both as specialized applications nurtured by devoted user communities, and as digital infrastructure underlying platforms used by millions daily. This type of software is developed, maintained, and extended both within the private sector and outside of it, through the contribution of people from businesses, universities, government research institutions, nonprofits, and as individuals. This paper proposes and prototypes a method to document the scope and impact of open source software created by these sectors, thereby extending existing measures of publicly-funded research output. We estimate the cost of developing packages for the open source software languages R, Python, Julia, and JavaScript, as well as re-use statistics for R packages. These reuse statistics are measures of relative value. We estimate that the resource cost for developing R, Python, Julia, and JavaScript exceeds $3 billion dollars, based on 2017 costs. 

Fonte: The Scope and Impact of Open Source Software: A Framework for Analysis and Preliminary Cost Estimates. Carol A. Robbins* (NCSES, NSF) et al.

6.5.19

Xamã moderno



Xamã é alguém que pode“acessar outras dimensões, através de um estado extático e fazer contato com aliados (animais, vegetais, minerais) e espíritos ancestrais”. É uma prática que está desaparecendo com o progresso humano e a expansão da civilização ocidental. Entretanto, ainda existem xamãs no mundo, embora parece algo contrário a racionalidade humana.

Um artigo da The Conversation escrito por Manvir Singh mostra como ainda estão presentes na Indonésia. Singh pergunta se realmente o xamã seria algo distante da sociedade moderna.

Segundo o cientista cognitivo Samuel Johnson, os gestores de dinheiro financeiro são candidatos prováveis. Os gerentes de dinheiro não conseguem superar o mercado - na verdade, eles até não conseguem superar sistematicamente os outros -, mas os clientes continuam pagando-os para adivinhar os futuros preços das ações.

Essa fé pode vir da crença de sua alteridade fundamental. Johnson ressalta que os gerentes financeiros enfatizam suas diferenças em relação aos clientes, exibindo um carisma extremo e agendas de trabalho sobre-humanas duradouras. Os gerentes também se adornam com graus matemáticos avançados e usam modelos estatísticos complicados para prever o mercado. Embora os gerentes financeiros não entrem em transe, seus diplomas e modelos garantem aos clientes que os especialistas podem investigar forças opacas.

Não são os únicos, estando em companhia de analistas esportivos, analistas políticos, conselheiros políticos, previsores, entre outros.

O xamanismo não é uma tradição arcana restrita a um passado antigo ou círculos da Nova Era. É uma conseqüência quase inevitável de nossas intuições humanas sobre habilidades especiais e nosso desejo de controlar a incerteza, e elementos dela aparecem em toda parte.